Aqui você pode pesquisar e adaptar planos já existentes

 


Sugira a discussão da fé em texto dissertativo

Publicado por 
novaescola
Objetivo(s) 

Analisar e aplicar os recursos expressivos da linguagem, identificando e incorporando as características de um texto dissertativo

Ano(s) 
Material necessário 

Reportagem da Veja:

Desenvolvimento 
1ª etapa 

Introdução

Bons tempos estes em que existe a liberdade de duvidar. Estivéssemos na Idade Média e veríamos os jornalistas Bruno Paes Manso e Fernando Luna na fogueira dos hereges, esturricados até os ossos pelas "blasfêmias" perpetradas na reportagem "Satã entre Nós". Profano ou não, o texto por eles produzido é um excelente exemplo de uma estrutura dissertativa clássica, e pode render uma divertida aula de redação e leitura crítica.

Defesa de tese
Lembre aos alunos que a dissertação é um estilo de composição em que predomina a defesa de uma idéia, de um ponto de vista, ou o questionamento de um determinado assunto. A força desse tipo de texto depende de sua capacidade de argumentação, que não deve ser fundamentada em opiniões pessoais. Para garantir a credibilidade, os redatores apóiam-se em dados objetivos, baseados em pesquisas e em entrevistas com especialistas. "Pecado capital", no caso, seria recorrer a expressões como "eu acho que...".

Leia a reportagem com a turma e identifique os elementos que marcam uma posição ou suscitam reflexão. Note que VEJA contrasta argumentos favoráveis e contrários às idéias da Igreja Católica sobre o Diabo, mas vale-se da ironia para refutar indiretamente seus dogmas. Assim, a democracia e a dúvida que faz a ciência avançar tornam-se agentes do Mal.

A dissertação exige um trabalho de preparação, um plano inicial no qual se busca consistência para a argumentação. Em "Satã entre Nós" fica claro que houve uma pesquisa de informações históricas, relacionadas posteriormente a dados da vida moderna. Tudo isso para provar a tese central da reportagem, esclarecida no segundo parágrafo: "A Igreja católica segue sendo a velha senhora de sempre". Peça para a classe destacar as três partes que formam o texto dissertativo -; a introdução (onde aparece a tese), o desenvolvimento (argumentação) e a conclusão. Perceba que a ordem normal foi subvertida em função de recursos jornalísticos para atrair a atenção do leitor. O título apresenta uma alegoria ao fato de que o Vaticano reafirma a existência do Demônio, noticiado no subtítulo. O primeiro parágrafo descreve o Diabo como a Igreja o via antes de publicar o documento De Exorcismis et Supplicationibus Quibusdam. Só então surge claramente a tese. A partir daí, o desenvolvimento se estende por quase todo o texto.

Liste com os alunos cada argumento usado na revista, separando os históricos, que tratam das diversas representações do Mal através dos tempos; os científicos, baseados em pesquisas e entrevistas com especialistas; e os pessoais, mais subjetivos, em que os autores exprimem suas idéias e opiniões ou tecem comentários críticos e por vezes sarcásticos. Se preferir, explique algumas funções da linguagem, comentando que na dissertação predomina a função referencial, embora também haja espaço para a emotiva -; por conta desses comentários e críticas.

Destaque a diversidade do texto de VEJA. Ele emprega figuras de linguagem como a metonímia -; no intertítulo "Nem Prozac nem divã", para definir a depressão e os tratamentos psiquiátricos -; e a metáfora -; por exemplo, o termo "pacote", que recentemente no Brasil passou a significar um conjunto de medidas econômicas, aparece aqui associado a mudanças litúrgicas. Peça à turma para procurar outros recursos estilísticos que enriquecem a reportagem.

Não deixe de comentar a conclusão, situada bem no final, como um clímax do debate. Ao retomar a idéia da introdução, ela reforça as idéias defendidas e prepara o clima para o desfecho jocoso: "Deus é pai", proteção contra todo o Mal.

Créditos:
Clemári Marques Ribeiro
Formação:
Consultora de português do Espaço Ágora, de São Paulo
Autor Nova Escola

COMPARTILHAR

Alguma dúvida? Clique aqui.