Aqui você pode pesquisar e adaptar planos já existentes

 


Saberes da mata

Publicado por 
novaescola
Objetivo(s) 

- Conhecer e verificar a presença de grupos tradicionais na Amazônia, com seus respectivos rituais, tradições e crenças.
- Verificar a influência desses grupos tradicionais sob outros povos/sociedades e sua resistência perante a sociedade atual.
- Compreender o papel dos saberes dos povos nativos para a preservação e uso consciente da floresta.

Ano(s) 
Tempo estimado 
Três aulas
Desenvolvimento 
1ª etapa 

Inicie contando aos alunos que nas próximas três aulas vocês vão tratar dos saberes dos povos que vivem na Floresta Amazônica. Pergunte à turma se eles sabem como se organizam essas comunidades e se elas são compostas apenas por índios. É possível que eles respondam que os índios se organizam em tribos, que a divisão de tarefas entre homens e mulheres é bem clara e que eles se utilizam de recursos da floresta (como a caça e a pesca) para se alimentar. Mas será que é só isso?

Diga aos estudantes que além das tribos indígenas, a floresta abriga comunidades quilombolas (as famílias de descendentes de escravos) e de terreiros (famílias ligadas aos templos da religião candomblé. Esses terreiros sofreram dura perseguição enquanto foi vigente o período de escravidão no Brasil), e que o conjunto dessas comunidades pode ser chamado de populações tradicionais. Segundo o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), dados e análises quantitativas consistentes sobre essas comunidades tradicionais ainda estão em elaboração.

Apresente aos alunos, se possível por meio de imagens, algumas comunidades tradicionais, com base em exemplos de grupos existentes na Amazônia (grupos extrativistas, como seringueiros e castanheiros, indígenas, os povos ribeirinhos, entre outros). Explique aos alunos que há várias discussões a respeito de quais populações podem ser classificadas como "tradicionais", porém ficaremos com a proposta de definição feita pelos pesquisadores Diegues e Arruda, no livro Saberes Tradicionais e Biodiversidade no Brasil (Editora da Universidade de São Paulo, 2001, p. 27): "as sociedades tradicionais podem ser definidas como grupos humanos diferenciados sob o ponto de vista cultural, que reproduzem historicamente seu modo de vida, de forma mais ou menos isolada, com base na cooperação social e nas relações próprias com a natureza. Essa noção refere-se tanto a povos indígenas quanto a segmentos da população nacional, que desenvolveram modos particulares de existência, adaptados a nichos ecológicos específicos".

Explique à classe que as populações tradicionais da Amazônia possuem um importante papel na preservação do ambiente ao qual estão integradas, por meio da propagação de seus conhecimentos e pelas formas de relação com a natureza que mantêm. Além disso, essas comunidades preservam rituais, crenças, tradições e conhecimentos sobre o meio ambiente que podem ser considerados únicos.
Lembre que, no entanto, com a rápida expansão da urbanização, da especulação imobiliária e de terras para expansão da fronteira agrícola em meio a núcleos florestais, essas comunidades correm sérios riscos de serem deslocadas de seu habitat original, ou terem limitados o acesso e a relação de manejo com as áreas em que viviam. Os efeitos decorrentes dessas ações podem ser desastrosos, justamente pelo fato de que essas populações tradicionais fazem um manejo sustentável dos recursos naturais da floresta.

Depois de esclarecer o conceito de população tradicional, selecione algumas das principais comunidades amazônicas e apresente as diversas atuações desses grupos: quais seriam, afinal, os conhecimentos, rituais, tradições que essas comunidades possuem? Para organizar sua exposição, divida o tema em quatro principais eixos: os rituais religiosos (ritos e festividades de divindades e santos associadas aos grupos estudados), as festas e tradições culturais (reuniões de grupo, as próprias festividades religiosas, pinturas e artesanato, entre outros), o manejo sustentável dos recursos naturais (a relação das comunidades com as unidades de conservação onde estão localizadas ou, se não estão em uma delas, como se relacionam com o bioma à sua volta - principalmente na questão de subsistência) e os conhecimentos tradicionais sobre saúde e agricultura detidos pelas comunidades (remédios e práticas medicinais - o uso de chás e infusões de diversas espécies de plantas, por exemplo -, fertilizantes naturais do solo, saberes tradicionais sobre pesca e plantio - temperatura, regime de chuvas, fases da lua, maré, etc.).

Há na internet uma grande quantidade de imagens e vídeos que exemplificam as ações das comunidades tradicionais listadas nos quatro eixos citados. É recomendável que os professores busquem informações no site do Ibama e do Ministério do Meio Ambiente. A partir dessas fontes, selecione algumas figuras e vídeos para apresentar à turma e ilustrar os quatro eixos de exposição sobre as comunidades tradicionais.

Peça aos alunos que se dividam em quatro grupos e proponha uma pesquisa sobre mais ações exercidas por essas comunidades em torno dos quatro eixos enumerados anteriormente e dos materiais (figuras e vídeos) expostos pelo professor. Os sites de pesquisa sugeridos aos alunos são os mesmos citados anteriormente.

Informe que os resultados serão apresentados em forma de seminário na próxima aula, de maneira a comparar as diferentes comunidades tradicionais, apontando possíveis semelhanças e diferenças em torno dos quatro eixos de estudo propostos. Além disso, por esse trabalho de exposição, espera-se identificar possíveis influências dos saberes das comunidades tradicionais em nossa sociedade: a presença dos remédios e chás na medicina (fitoterapia e homeopatia), os métodos de uso do solo e maior rendimento no plantio; a presença de alimentos e da culinária dessas populações (mandioca, beiju, tapioca, espécies de peixes e técnicas de pesca), pinturas de corpo, etc.

2ª etapa 

Reserve esta aula para a apresentação dos seminários. Cada grupo irá falar sobre os resultados da investigação a respeito dos quatro eixos de saberes da mata propostos na aula anterior. Oriente os alunos a utilizarem cartazes, vídeos e/ou imagens das comunidades tradicionais que encontraram em suas pesquisas. Estabeleça um tempo de 10 minutos para que cada grupo apresente os seminários, anote os pontos importantes e comente sempre que for necessário. No final, proponha uma discussão final com toda a turma sobre as semelhanças e diferenças nas tradições de cada uma das comunidades amazônicas estudadas.

É esperado que os alunos exponham exemplos visuais de rituais e tradições das populações tradicionais (festas, rituais religiosos, tradições), a relação destes povos com o meio ambiente que os circunda e possíveis intervenções e influências desses povos para a atual sociedade (na saúde, nos conhecimentos agrícolas, na preservação); em suma, mostrar os diferentes saberes tradicionais presentes na Amazônia. Informações complementares poderão ser trazidas e utilizadas pelo professor no momento de avaliar e debater os seminários, de maneira a complementar a apresentação dos alunos.

3ª etapa 

O objetivo desta última aula é mostrar quais são as consequências de se alterar a dinâmica de vida das comunidades tradicionais, por conta dos avanços da urbanização, da construção civil e de obras de infraestrutura de médio e grande porte em meio a núcleos florestais.

Para introduzir o tema, apresente aos alunos o caso recente envolvendo a construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte (PA), no Rio Xingu. Esse rio possui aproximadamente 1870 quilômetros de extensão, atravessa os Estados de Mato Grosso e Pará, e é uma das principais fontes de água e alimentos para as populações adjacentes ao rio (citadinas e tradicionais - principalmente indígenas). No entanto, planeja-se a construção da maior usina hidrelétrica localizada exclusivamente em solo brasileiro e a terceira maior do mundo justamente neste rio, o que traria, segundo estudos e organizações ambientais, impactos irreversíveis à fauna, flora e população local.

Há disponível na Internet um documentário com cerca de 30 minutos sobre os impactos que a construção desta usina traria para a região amazônica e as comunidades tradicionais residentes nesta (populações ribeirinhas, tribos indígenas e mesmo a população de cidades que seriam afetadas pela construção da usina). As quatro partes do vídeo "Xingu: o sangue da nossa sobrevivência" estão disponíveis em: http://abr.io/xingu1http://abr.io/xingu2http://abr.io/xingu3 e http://abr.io/xingu4.

Exiba o documentário aos alunos, com o objetivo de mostrar os impactos de uma obra de grande porte em meio à floresta e discuta com a turma se a usina pode trazer benefícios para as comunidades tradicionais ou se vai influenciar apenas negativamente no modo de vida desses grupos. Espera-se que os alunos, a partir da exibição do documentário, reflitam sobre os impactos que obras como usinas, estradas e mineração podem causar no bioma amazônico e na localização e cotidiano das populações tradicionais, e que a partir desse exemplo consigam compreender os impactos de eventos similares no Brasil e no planeta, que podem acontecer ou já aconteceram (os alunos, por exemplo, a partir desta aula poderão sentir-se instigados a pesquisar a história de outras obras de grande porte e quais consequências elas tiveram na população e no bioma onde estavam localizadas).

Avaliação 

As atividades de pesquisa, as discussões em sala e a apresentação dos seminários servirão para observar se os alunos compreenderam o que são as populações tradicionais e qual a importância dos saberes desses povos amazônicos para a cultura local e de todo o Brasil. Analise, também, se todos entenderam quais são os principais impactos da urbanização em núcleos florestais e da privação desses grupos tradicionais em fazer o manejo consciente dos recursos da floresta.

Créditos:
Wanderlei Evaristo de Mattos
Formação:
Mestrando em Geografia pela Universidade de São Paulo (USP) e professor da rede pública estadual de São Paulo
Autor Nova Escola

COMPARTILHAR

Alguma dúvida? Clique aqui.