Aqui você pode pesquisar e adaptar planos já existentes

 


A nova pirâmide etária brasileira

Publicado por 
novaescola
Objetivo(s) 

Analisar, interpretar e compreender dados relativos à estrutura demográfica brasileira. Apontar mudanças em relação às decadas anteriores e perspectivas para o passado.

Conteúdo(s) 

Estrutura da população por idades; padrões populacionais; transição demográfica; padrão populacional/condições sociais

 

Ano(s) 
Tempo estimado 
Duas aulas
Material necessário 

Especial publicado em VEJA.com:

Desenvolvimento 
1ª etapa 

Introdução

Algumas dinâmicas da população estão se modificando no Brasil, conforme os mais recentes dados do IBGE. Poderiam estes dados identificar o que chamamos de novos padrões populacionais?

A aula proposta pode contribuir para entender uma série de fenômenos como o relatado pela VEJA na reportagem "Casar? Quem sabe um dia...". Por meio da análise de dados, gráficos e mapas os alunos poderão verificar as dinâmicas e transições que possibilitam atitudes e procedimentos nas tomadas de decisão individuais que trazem novos modos de vida da população que eram incomuns há algumas décadas.

Peça que os alunos observem a pirâmide etária da população brasileira atual com base no Censo de 2010.

- Peça que os alunos comparem a pirâmide etária do Brasil atual aos padrões de pirâmide associados a pelo menos três padrões de transição demográfica:

1. As pirâmides que possuem uma base larga, com uma população formada por muito jovens e poucos idosos;
2. As pirâmides etárias que possuem uma base menor, com menos crianças que a população jovem e adulta, e uma população idosa, com mais de 60 anos mais significativa que as pirâmides do primeiro e terceiro padrões.
3. As pirâmides etárias nas quais a população jovem possui uma base mais restrita que a população adulta e a população idosa é bastante significativa, "engrossando" o topo da pirâmide. Peça que analisem qual é o padrão brasileiro.

 

Fonte: IBGE
 


- Solicite uma comparação entre as pirâmides do Brasil dos anos 1980/1991 por sexo e cor. Há diferenças significativas com a pirâmide etária atual? Indique quais são estas diferenças. Correlacione com a reportagem da VEJA. Qual o perfil dos entrevistados naquela reportagem? Qual a classe social? A atitude de vida tomada pelos entrevistados, de retardar o casamento e filhos, é aplicável para outros estratos sociais? A taxa de fecundidade média das brasileiras, de 1,94 filho por mulher em 2009, produz uma pirâmide cuja base é menor do que as bases das pirâmides quando a taxa de fecundidade era maior? Para responder isso verifique as pirâmides etárias dos anos de 1980 e 1991. Haveria uma transição entre um tipo de pirâmide para outro (vide primeira parte da atividade)? É possível verificar a transição correlacionando-se as diversas datas com a pirâmide atual? Há diferenças significativas entre as populações branca e negra?

  

Fonte: IBGE
 

 

2ª etapa 

Peça agora que o aluno faça a inserção no Brasil no contexto mundial, na geografia do planeta. É possível que as modificações e dinâmicas ocorridas no Brasil se dêem também no espaço mundial? O primeiro procedimento será a comparação dos dados mais recentes do IBGE com os mapas de Jovens e Idosos no ano de 2005 do Atelier de Cartografia da SciencesPo. Ressalte que a comparação do contexto brasileiro com o mapa do contexto mundial poderá subsidiar a projeção externa das modificações ocorridas no Brasil na última década frente ao cenário externo. Após a comparação, promova uma discussão que coloque em pauta as seguintes questões:

- Com relação a maior longevidade do brasileiro, será levantado, por exemplo, que, em 2009, havia cerca de 21 milhões de idosos no país e, entre 1999 e 2009, o percentual das pessoas com 60 anos ou mais de idade no conjunto da população passou de 9,1% para 11,3%. Segundo o mapa feito em 2005, teríamos trocado de classe e agora estaríamos no mesmo contexto de países como os Estados Unidos e a nossa vizinha, Argentina. O que isso significou na dinâmica populacional interna do país? Que correlação podemos fazer com a reportagem da VEJA, onde homens que tiveram acesso a um capital cultural maior (inclusive pelo maior número de anos dedicados aos estudos) e chegaram a um padrão profissional e social aos 40 anos de idade, que, em parte, teria sido permitida pela maior expectativa de vida? Pode-se retardar, por exemplo, o casamento e filhos já que a vida útil no trabalho e demais realizações será também prolongada?
- Sobre o segundo mapa, de jovens com menos de 15 anos. Proponha também a comparação com os dados atuais. Os alunos poderão verificar as mudanças na estrutura etária, que mostra um processo de transição. Explique o que é o processo de transição que mostra o envelhecimento da população do país. A pirâmide etária mostrará, no caso do Brasil, a existência de menos crianças abaixo de cinco anos do que entre cinco e dez anos, assim como mais jovens de dez a 15 anos do que crianças de cinco a dez anos. Em 2005, o Brasil estaria numa faixa onde a população com menos de 15 anos representaria entre 20 e 28 % da população total. Analise com a classe qual a situação que estamos hoje. Peça aos alunos que verifiquem se, no contexto mundial, essa situação do Brasil também se modificou.
- Considerando o conjunto das informações reflita sobre o seguinte tema: de que modo as transformações no perfil interno da população, com a diminuição da base da pirâmide (diminuição de jovens) que nos faz nos aproximar nesse aspecto dos países desenvolvidos como os europeus, o Japão e os EUA e Canadá (vide mapas) se relacionariam com as questões do desenvolvimento social.

Avaliação 

Solicite uma redação aos alunos de uma possível projeção dos parâmetros populacionais e da nossa pirâmide etária. Qual será o Brasil de 2020 e de 2050? Depois em grupo discuta os argumentos e projeções propostas pelos alunos e apresente as projeções encontradas como cenários pelos diversos órgãos governamentais e não-governamentais.

Créditos:
Fernanda Padovesi Fonseca,
Formação:
geógrafa, professora do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo
Autor Nova Escola

COMPARTILHAR

Alguma dúvida? Clique aqui.