Aqui você pode pesquisar e adaptar planos já existentes

 


Mobilização negra e cidadania, no passado e no presente

Publicado por 
novaescola
Objetivo(s) 

- Compreender as lutas da população afrodescendente pela igualdade e cidadania.

- Analisar a presença e atuação política de homens e mulheres negros e mestiços na revolta dos marinheiros, de 1910, e no Teatro Experimental do Negro (TEN), nas décadas de 1940 e 1950.

- Relacionar participação política e artes, afirmação racial e cidadania no Teatro Experimental do Negro (TEN).

Conteúdo(s) 

Movimentos sociais no Brasil republicano

Tempo estimado 
4 a 6 aulas
Material necessário 

- Cópias da reportagem “Por que as cotas raciais deram certo no Brasil” (Istoé, Edição 2264, 05 de abril de 2013)

- Sala de informática com computadores e acesso à internet para acessar o site da Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional (http://hemerotecadigital.bn.br/)

Desenvolvimento 
1ª etapa 

Inicie a aula perguntando à turma quais movimentos sociais contemporâneos eles conhecem. Destaque o movimento negro. E pergunte aos jovens o que eles sabem sobre esse movimento: Quando ele surgiu? Quais suas reivindicações? Por que ele existe?

Explique que nas aulas seguintes eles irão investigar justamente partes da história desse movimento e suas reivindicações. Conte que a aula se baseará em dois movimentos: a revolta dos marinheiros, em 1910, e o Teatro Experimental do Negro, criado na década de 1940, eventos importantes na história do Brasil republicano, nos quais homens e mulheres negros buscaram formas de lutar contra o preconceito racial vigente na época. 

2ª etapa 

Discuta com a turma as origens do movimento negro no Brasil. Questione se eles acreditam que a escravidão tenha alguma relação com a perda de direitos e se a abolição desse regime de trabalho tenha promovido a igualdade entre brancos e negros. Conclua afirmando que vocês analisarão mais a fundo um episódio da história brasileira: a revolta dos marinheiros, conhecida como Revolta da Chibata, ocorrida em 1910, na cidade do Rio de Janeiro. Oriente a turma a realizar uma pesquisa na internet, com o objetivo de descobrir o que foi esse episódio.

Na aula seguinte, discuta as informações trazidas: o que encontraram a respeito? Como o evento histórico é descrito? O que é ressaltado nessas narrativas? Quais foram as dúvidas que surgiram? Finalize a apresentação, destacando as informações apresentadas por eles e complementando com informações que tenham faltado. Se necessário, conte aos alunos toda a história desse movimento, ampliando e discutindo as informações trazidas por eles. Oriente os alunos a anotar e sistematizar no caderno as informações relativas aos espaços, períodos e eventos.
 


O que explicar aos alunos?
Entre 22 até 27 de novembro de 1910, a cidade do Rio de Janeiro, então capital federal, ficou na mira dos canhões de um grupo de marinheiros, a maioria negra e mestiça. O grupo reivindicava, além do fim dos castigos corporais – as chibatadas –, melhores condições de trabalho e igualdade racial: os oficiais brancos alcançavam postos de chefia, enquanto os negros e mulatos permaneciam seus subalternos durante toda a carreira. Sem ter as reivindicações atendidas, muitos marinheiros foram presos, mortos, perseguidos e todos os revoltosos foram expulsos da Marinha (Saiba mais no capítulo “Os negros na história do Brasil” do especial “África e Brasil”, no site de NOVA ESCOLA e na reportagem “Contra a chibata, canhões”, da Revista de História da Biblioteca Nacional).  
 


Proponha em seguida uma pesquisa em jornais e revistas que noticiaram esse episódio. No site da Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional (acesse aqui http://hemerotecadigital.bn.br/), há uma diversidade incrível de jornais, com consulta simples e fácil acesso. Para esse caso específico, pesquise nos periódicos Careta e O Malho, selecionando o mês de dezembro de 1910. Monte um roteiro de análise, com perguntas básicas para a turma como: o que vem a ser esse documento? Qual sua relação com o contexto histórico em que foi produzido? Como ele foi produzido? Essas perguntas ajudarão os alunos a compreender as diferentes interpretações e versões sobre o passado.

Com as fontes selecionadas, discuta as diferentes formas de narrar o acontecimento, com base nas páginas das revistas. Faça os seguintes questionamentos aos alunos: Quais eram as reivindicações dos marinheiros? Quais as condições de trabalho a que estavam submetidos? Por que a existência dessa linha de cor na organização da Marinha? O que significava cidadania na Primeira República?

Peça que os alunos apresentem os resultados das pesquisas oralmente. Intervenha complementando as informações e elaborando questões que os levem a refletir sobre as desigualdades raciais existentes no período e a importância da participação política dos negros na história do Brasil. Para ajudar nas respostas aos questionamentos, apresente o cenário histórico e cultural da Primeira República.

Após a abolição da escravidão e a proclamação da República, respectivamente em 1888 e 1889, muita coisa mudou no país. O objetivo dessa discussão é levar os alunos a entender que a escravidão havia terminado, mas as diversas formas de exploração da mão de obra negra e mestiça continuavam, além dos estigmas deixados por esse passado. Analise com a turma como a revolta dos marinheiros representou esse processo conflituoso e o quanto os homens e mulheres negros e mestiços lutaram para redefinir seus papéis sociais no mundo livre.

3ª etapa 

Proponha a turma analisar outro movimento negro do século 20: o Teatro Experimental do Negro das décadas de 1940 e 1950. Após breve exposição dialogada a respeito do TEN e de sua história, explore algumas imagens de peças encenadas pelo grupo, chamando a atenção para a atuação feminina negra e para a edição do jornal O Quilombo.
 


O que explicar aos alunos?
Criado em 1944 por Abdias do Nascimento (1914 – 2011) e composto por personalidades como Léa Garcia, Ruth de Souza e Milton Gonçalves, o grupo propunha a articulação entre conscientização racial e cidadania. Recrutava para seu elenco pessoas das classes populares, como empregadas domésticas, e aliava formação teatral com a aquisição e ampliação do conhecimento formal. Para maiores informações consulte os sites: http://ipeafro.org.br/home/br/acoes/32/43/ten/, http://litsubversiva.blogspot.com.br/2012/06/o-teatro-experimental-do-negro-no.html, http://seguindopassoshistoria.blogspot.com.br/2013/11/teatro-experimental-do-negro-trajetoria.html e http://www.acordacultura.org.br/
 


Cite, durante a discussão o contexto histórico do momento em que o TEN funcionou: fim da Segunda Guerra Mundial, Guerra Fria, grande mobilização em torno da democracia, iniciativas dos governos brasileiros para um maior desenvolvimento do país.

Algumas questões podem ser levantadas: quais as semelhanças e diferenças entre essa organização e a Revolta da Chibata, estudada anteriormente? Por que o TEN se utilizou da arte como maneira de se manifestar? Qual a relação entre o teatro e as reivindicações do movimento negro? Quais as dificuldades e importância de se conquistar espaço nas produções teatrais e televisivas da época? Quais as relações entre arte, cidadania e política? As discussões devem tocar em temas como: o direito à igualdade entre negros e brancos e a mobilização da população afrodescendente pela conquista da cidadania.

Conduza os alunos para a reflexão sobre a importância do Teatro Experimental do Negro e da Revolta da Chibata no que tange às diferentes formas de mobilização negra em prol da igualdade racial no Brasil.

4ª etapa 

Proponha uma conversa sobre o sistema de cotas raciais como critério para entrada nas universidades públicas brasileiras. Oriente a turma a ler, individualmente ou em grupo, a reportagem “Por que as cotas raciais deram certo no Brasil”, publicada na revista Istoé em abril de 2013.

Faça perguntas sobre o funcionamento desse sistema e a sua importância para diminuir as desigualdades raciais no Brasil. Exponha para a turma o quanto o movimento negro no Brasil, assim como outros grupos se mobilizaram para ampliar os direitos da população afrodescendente, sendo o sistema das cotas uma dessas ampliações e conquistas.

Avaliação 

Durante a discussão em sala, observe se os alunos foram capazes de:

- Compreender que a luta por direitos da população afrodescendente está relacionada às heranças deixadas pela escravidão;

- Reconhecer a luta pela igualdade e cidadania dos negros nas pautas dos movimentos estudados;

- Identificar a presença de personagens negros protagonizando os episódios discutidos.

Sugestões bibliográficas

ALBERTI, Verena e PEREIRA, Amílcar Araújo (org.). Histórias do movimento negro no Brasil: depoimentos ao CPDOC. Rio de Janeiro: Pallas; CPDOC-FGV, 2007.

NASCIMENTO, Álvaro Pereira do. Cidadania, cor e disciplina na revolta dos marinheiros de 1910. Rio de Janeiro: Mauad, Faperj, 2008. 

 

Créditos:
Lívia Nascimento Monteiro
Formação:
Doutoranda em História na Universidade Federal Fluminense (UFF)
Créditos:
Luara dos Santos
Formação:
Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Relações Étnico-Raciais do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (PPRER/Cefet)
Autor Nova Escola

COMPARTILHAR

Alguma dúvida? Clique aqui.