Aqui você pode pesquisar e adaptar planos já existentes

 


Meio ambiente: as espécies que habitam igapós

Publicado por 
novaescola
Objetivo(s) 

- Compreender como vivem as plantas de áreas alagadas.
- Conhecer espécies das áreas de igapó
- Conhecer adaptações de algumas plantas à sobrevivência nesses ambientes.
- Discutir a preservação ambiental.

Ano(s) 
Tempo estimado 
Quatro aulas
Material necessário 

- Para as aulas: mapa do Brasil com a localização do Rio Negro, na floresta Amazônica, fotos de igapós.
- Para o experimento 1: dois tubos de ensaio, solução de hidróxido de cálcio (água de cal), folhas de plantas (pequenas e bem verdes), papel alumínio.
- Para o experimento 2: dois tubos plásticos grandes e transparentes, terra, sementes de feijão, alfafa e milho, água, infográfico sobre igapós .

Desenvolvimento 
1ª etapa 

Antecipe as atividades para o aluno com deficiência visual e disponha de mais tempo para que ele acompanhe cada uma das etapas, se for necessário. Os mapas e o infográfico devem ser adaptados para o braile, com contornos em relevo. No caso da infografia, você pode usar tecidos com texturas diferentes para preencher cada um dos espaços e facilitar a compreensão do aluno. Ofereça a ele alguns textos de apoio, em braile, sobre os igapós e invista na descrição oral das imagens mostradas em sala. A pesquisa pode ser feita em duplas, e o aluno cego conta com a ajuda de softwares que facilitam o acesso à Internet, como o Jauss e o DosVox. Durante o primeiro experimento, deixe que o aluno sinta a textura das folhas, do alumínio e dos tubos de ensaio, descreva o passo a passo e peça que ele faça o registro em braile. O mesmo vale para o cultivo das plantas. Reserve alguns minutos a cada aula para descrever para que os colegas descrevam o estado das sementes submersas nos tubos de ensaio. Se possível, deixe que ele toque o experimento, a fim de acompanhar o desenvolvimento das plantas. Conte sempre com o apoio do profissional do AEE no contraturno.

Nas últimas décadas, a preocupação com a preservação ambiental se tornou assunto recorrente em diversos meios de comunicação. A fim de sensibilizar a sociedade para a importância da gestão sustentável das florestas, a Organização das Nações Unidas (ONU) declarou 2011 o Ano Internacional das Florestas.

No Brasil, país que abriga a maior floresta do mundo, a floresta Amazônica, a escola tem papel fundamental na discussão desse tema tão importante para a formação de cidadãos capazes de compreender a realidade em que vivem. O plano de aula a seguir sugere uma discussão sobre áreas alagadas da floresta Amazônica conhecidas como igapós e sobre como as espécies de plantas sobrevivem nesses ambientes com características tão particulares.

Comece a aula perguntando o que os alunos sabem sobre áreas que ficam alagadas boa parte do ano. Peça que citem algum local do Brasil que possui essa característica. É provável que mencionem o Pantanal, a maior planície alagável do planeta. Converse sobre as características desse importante bioma com a moçada. Explique que o alagamento ocorre devido ao transbordamento dos rios da região e que isto é muito importante para a manutenção da vida selvagem, pois as águas carregam nutrientes para lugares distantes e, com isso, contribuem para a fertilização do solo. Comente que também existem áreas do bioma amazônico que ficam regularmente inundadas. São os igapós, florestas próximas de rios, como o Rio Negro, que são inundadas no período das chuvas (de janeiro a junho). Mostre um mapa do Brasil com a localização do Rio Negro e algumas fotos de igapós. Então, sugira que façam uma pesquisa para identificar as características dos igapós, destacando suas diferenças em relação ao Pantanal.

2ª etapa 

Peça para os estudantes compartilharem os dados de suas pesquisas. Verifique se conseguem concluir que nos igapós, diferentemente das áreas de várzea do Pantanal, a água leva embora os nutrientes do solo, deixando-o arenoso e pouco nutritivo. Então, pergunte: qual a consequência disso? A moçada deve destacar a baixa diversidade de espécies de plantas nessas áreas quando comparadas com porções da floresta Amazônica que não estão sujeitas às inundações. Ressalte, porém, que as espécies de plantas que sobrevivem em igapós têm elevado grau de especialização, sendo capazes de sobreviver nas difíceis condições impostas pelo ciclo das enchentes. Proponha uma nova pesquisa com base em algumas questões sobre as plantas dos igapós: as inundações são um problema para sua fixação no solo? Por quê? Como suas sementes se espalham nas cheias? Qual característica seria importante para uma árvore que vive em um ambiente como esse?

3ª etapa 

Com base nas novas informações trazidas pelos alunos, converse sobre as adaptações à sobrevivência que as plantas dos igapós apresentam, como o fato de suas sementes germinarem rapidamente para fixar as raízes antes da próxima cheia. Conte para os alunos que cientistas descobriram que uma espécie de palmeira armazena oxigênio em um tecido nas raízes para garantir a respiração enquanto esta parte da planta está submersa, o que demonstra grande especialização para viver em um igapó. Aproveite esse dado e pergunte: como as plantas que ficam totalmente submersas respiram durante a cheia? É mais provável que a moçada saiba responder como as plantas respiram fora da água, ou seja, por meio da troca de gases com a atmosfera.

Para demonstrar à classe a respiração das plantas, realize um experimento que evidencia a produção de gás carbônico por uma folha. Coloque 5 ml de solução de hidróxido de cálcio (água de cal) em dois tubos de ensaios. Em seguida, coloque uma ou duas folhas dentro de cada um deles. Feche os tubos e cubra um deles com papel alumínio, como mostra a imagem abaixo.

Plano de aula ciências - Igapós

No tubo coberto o resultado é mais evidente. A água de cal fica leitosa por ter contato com o gás carbônico, pois a folha somente realizou a respiração (captou oxigênio e liberou gás carbônico). No caso da folha que ficou no tubo exposto à luz, a água de cal fica bem menos turva, pois a folha realizou a respiração e a fotossíntese (captou gás carbônico e liberou oxigênio).

Voltando à questão da respiração das plantas dos igapós, questione: se as plantas são capazes de retirar o oxigênio (O2) e o gás carbônico (CO2) apenas do ar, como as espécies dos igapós respiram? Explique que elas não realizam esta atividade durante a cheia e que também não realizam a fotossíntese. Essas plantas só sobrevivem porque acumulam substâncias energéticas durante o período de seca.

4ª etapa 

Agora que os alunos já refletiram sobre algumas adaptações das plantas para a sobrevivência, apresente a eles o infográfico sobre igapós que contém outros exemplos de plantas e também de animais que frequentam essas áreas alagadas. Relembre que nos igapós a diversidade de espécies de plantas não é tão grande e peça que apresentem explicações para esta característica. Eles devem atrelar essa condição ao fato de serem poucas as espécies de vegetais que sobrevivem submersas por longos períodos de tempo.

Para mostrar aos alunos como o excesso de água é prejudicial para a maioria das plantas, realize outro experimento: o plantio de sementes de milho, alfafa e feijão em dois tubos plásticos transparentes. É importante que estes tubos sejam compridos para que, a partir de um certo momento, em um deles as plantas fiquem submersas. Antes disso, ofereça condições ideais de germinação e crescimento para todas as plantas, mantendo-as em local iluminado e regando sempre que necessário. Quando as plantas atingirem um tamanho razoável, realize a "inundação" em um dos recipientes. Após alguns dias, observe com a moçada as plantas submersas e pergunte por que elas não resistiram a tanta água. Anote as respostas no quadro e verifique se entre elas está a ausência de características que permitem a um ser vivo sobreviver em condições ambientais diferenciadas, como sob excesso de água e em solo pobre em nutrientes, algo próprio de áreas de igapós.

Avaliação 

Para avaliar a compreensão da turma a respeito do tema proponha que os alunos façam uma síntese sobre o que aprenderam, explicando as adaptações necessárias à sobrevivência das plantas de igapós. Solicite também que relacionem estas especializações com a variedade de espécies e a importância da preservação destes ambientes.

Créditos:
Marcio Cotomacci
Formação:
Biólogo e pesquisador de atividades pedagógicas da Sangari Brasil, em São Paulo
Autor Nova Escola

COMPARTILHAR

Alguma dúvida? Clique aqui.