Aqui você pode pesquisar e adaptar planos já existentes

 


A mãe natureza ensina

Publicado por 
novaescola
Objetivo(s) 

Informar sobre as estratégias evolutivas que diferenciam os humanos dos outros animais

Conteúdo(s) 

Estratégias evolutivas

 

Ano(s) 
Tempo estimado 
2 aulas
Material necessário 
Desenvolvimento 
1ª etapa 
Introdução 
A longa reportagem de VEJA focaliza uma relação sempre enriquecedora e ao mesmo tempo problemática, que atualmente passa por amplas transformações socioculturais: a convivência entre mãe e filha. A cumplicidade entre essas personagens dos núcleos familiares não é exclusiva da espécie humana. Examine com seus alunos essa dimensão em que biologia e cultura se entrelaçam.

Após a leitura da reportagem de VEJA, peça que os alunos discutam os trechos que mais chamaram a atenção deles. O debate vai mostrar que o relacionamento entre mãe e filha, como todos os aspectos da cultura, está sujeito a permanentes modificações.

Sugira o examine de outro aspecto do tema: a presença de cuidados maternos em diversas espécies animais. Entre as aves, por exemplo, é visível o cuidado das mães com os ovos e com os filhotes ainda sem penas, no ninho. Os adultos se revezam na busca de alimento, além de aquecer e proteger a prole. Porém, assim que aprendem a voar, os pequenos se tornam independentes e perdem a capacidade de reconhecer os pais.

Entre os primatas (aqui, vale lembrar, está incluída a espécie humana), no entanto, o cuidado com a descendência se estende por anos a fio.

A mãe orangotango, por exemplo, cuida solitariamente dos filhotes por seis ou sete anos, até que eles consigam achar comida por conta própria. A fêmea dessa espécie só volta a menstruar e a se interessar por machos após o longo período de amamentação. Estudos com gorilas atestam o notável estreitamento entre fêmeas parentes, que se unem em disputas com outras "famílias". Entre as jovens chimpanzés, por seu turno, ocorre algo diferente: quando chegam à adolescência, elas se desentendem facilmente com a mãe e tomam uma posição mais periférica até deixar o grupo. Esse movimento é visto por primatologistas como um modo de evitar o incesto. Comuns, as brigas envolvendo fêmeas desses primatas - muitas vezes da mesma linhagem - são provocadas por disputas de posições hierárquicas em seu grupo.

Deve-se aos hormônios e a possíveis fatores sociais o fato de o cuidado com a prole ser uma tarefa predominantemente feminina. Os mecanismos de seleção natural que atuaram em nossa história evolutiva culminaram em machos produzindo milhões de espermatozóides e fêmeas produzindo poucos óvulos. Essa "economia" contrasta com o enorme dispêndio de energia durante a gravidez e os primeiros - muitos - anos do filhote. Explique que a dependência do bebê humano para as mais banais tarefas é também uma estratégia de sobrevivência: a mãe faz um "investimento" de tempo e atenção que ajuda a garantir o sucesso biológico de seus filhos.

Em resumo, numa vida de relações sociais intensas, parece que a sobrevivência e o sucesso das crianças passaram a depender cada vez mais da qualidade do cuidado materno. Na opinião da turma, em que medida tais estratégias evolutivas nos diferem do mundo animal? Elas são naturais ou culturais?
Créditos:
Luiz Caldeira
Formação:
professor de Metodologia do Ensino - Universidade Federal de Santa Maria/UFSM
Autor Nova Escola

COMPARTILHAR

Alguma dúvida? Clique aqui.