Aqui você pode pesquisar e adaptar planos já existentes

 


Examine com a turma as técnicas de identificação humana

Publicado por 
novaescola
Objetivo(s) 

Analisar características e estratégias na identificação dos indivíduos

Ano(s) 
Material necessário 

Reportagem da Veja:

Desenvolvimento 
1ª etapa 

Introdução 

Identificar uma pessoa em cidades pequenas é uma tarefa relativamente simples, que pode ser executada com o auxílio do primeiro nome do indivíduo ou mesmo o sobrenome da família. Já numa metrópole, onde a ameaça à segurança em locais públicos é uma realidade, a identificação dos exige estratégias dignas da ficção científica.

Segundo VEJA, além das impressões digitais, já está sendo feita a leitura da íris humana como forma de evitar transtornos em aeroportos, bancos e grandes empresas ¿ inclusive aqui no Brasil, nesse último caso. A novidade apresentada na reportagem certamente despertará o interesse dos alunos, configurando-se num bom ponto de partida para discutir alguns conceitos científicos envolvidos nessa tecnologia, além de servir para lembrar que, um dia, a identificação das pessoas também foi usada para fins não muito louváveis.

 

Peça que os estudantes levantem algumas particularidades do corpo que identificam uma pessoa de forma precisa. Além das bastante conhecidas (como as impressões digitais, a análise do fio do cabelo e a composição do DNA), pergunte que outras características se prestam ao reconhecimento de cada ser humano. Além disso, questione que requisitos são necessários para elegê-las como apropriadas para identificar um indivíduo. Alguns estão listados abaixo:

  • estar presente em todas as pessoas;
  • ter um padrão totalmente único para cada ser humano, o que evita a sobreposição entre os indivíduos;
  • ser uma característica natural, e não implantada artificialmente no corpo;
  • ser suficiente para identificar alguem sem o auxílio ou complemento de outro método;
  • ser largamente aceito pelo público;
  • ser constante ao longo do tempo;
  • armazenamento e o acesso aos requisitos devem ser fáceis e apresentar um custo baixo.


Após a leitura de VEJA, instigue a discussão com questões polêmicas. Por que a utilização de técnicas de identificação são necessárias? Quais são os grupos de pessoas mais interessadas no desenvolvimento dessas tecnologias? Há elementos éticos envolvidos no procedimento? Até que ponto esses métodos preservam a privacidade dos identificados?

Leia para os alunos o texto do quadro abaixo e peça que eles façam uma associação entre as duas tecnologias citadas na reportagem com os procedimentos utilizados por pesquisadores adeptos da eugenia. Os adolescentes já tinham conhecimento dessa pretensa ciência? Como eles avaliam tais estudos?

Para saber mais

 
O que é eugenia

No século XIX, o inglês Francis Galton propôs o aperfeiçoamento da espécie humana pela seleção de indivíduos com características que supostamente beneficiariam a todos. Surgia assim a eugenia. Para o pesquisador, era possível identificar aspectos comportamentais com base nas medidas corpóreas. Ele entendia que a inteligência, por exemplo, era diretamente proporcional ao tamanho do crânio. Para os eugenistas, os tipos superiores tinham os traços dos brancos europeus. Outras etnias eram consideradas inferiores. A promessa de prever comportamentos estimulou muitos estudiosos. Em 1870, o italiano Cesare Lombroso descreveu as "principais particularidades de um criminoso nato". Esse indivíduo apresentaria mandíbulas enormes, arcos superciliares proeminentes, ossos do rosto pronunciados, linhas das palmas das mãos separadas, órbitas oculares com tamanhos inusitados e orelhas similares às dos macacos. Descrições tão precisas incentivaram propostas de eliminar crianças com traços "criminosos" ou evitar a reprodução de pessoas com conformações físicas similares. Tais idéias, embora soem absurdas hoje, foram levadas a sério por vários países europeus até a década de 1970.

Apresente à classe uma situação-problema fictícia envolvendo a necessidade de identificar determinada pessoa ¿ um criminoso ou cadáver, por exemplo. Conte que para isso será simulada uma análise de DNA, representado por códigos de barras.

Reproduza esses códigos da embalagem de diversos produtos (um por aluno), omitindo os respectivos números. Distribua o material para os estudantes. O que eles estão recebendo, explique, representa o DNA ¿ a identificação de cada um. Escolha uma pessoa para ser aquela que está sendo procurada e tire cópias suficientes de seu código para que cada colega receba a sua. São instrumentos de busca, a senha para reconhecer o indivíduo procurado. Esse estudante, é óbvio, deve ficar com dois códigos iguais ¿ um de identificação e outro de busca. Combine isso com ele previamente e peça-lhe silêncio absoluto sobre o assunto.

Distribuídas todas as peças, estabeleça que os adolescentes comparem suas tarjas de busca com os códigos individuais dos colegas. Instrua-os de modo que, quando um aluno identificar a pessoa procurada, não comente com ninguém. Em vez disso, você deve ser informado discretamente do fato. Ao final do exercício, discuta a eficiência da técnica e a viabilidade de a mesma ser usada para identificar pessoas em espaços públicos tais como bancos, escolas e empresas. Trata-se de um procedimento simples? Exige que tipo de tecnologia? As informações das barras podem ser acessadas a baixo custo? Por quê?

Reserve duas aulas para exibir e debater com os alunos o conteúdo de um dos filmes indicados abaixo. O primeiro é uma ficção científica futurista que retrata um mundo onde a divisão de classes é feita segundo o código genético de cada indivíduo. O segundo aprofunda, de forma direta, a sempre controversa eugenia.


Veja também:

BIBLIOGRAFIA
A Falsa Medida do Homem
, Stephen Gould, Ed. Martins Fontes, tel. (11) 239-3677

FILMOGRAFIA
Gattaca ¿ Experiência Genética
, Andrew Niccol, Columbia Filmes, tel. (11) 5503-9898
Homo Sapiens, Peter Cohen, Mais Filmes, tel. (11) 3266-5767

 

Créditos:
Miguel Angelo Thompson Rios
Formação:
Professor de Biologia do Colégio Nossa Senhora das Graças, de São Paulo, e Eloci Peres Rios, doutora em Ciências pela USP
Autor Nova Escola

COMPARTILHAR

Alguma dúvida? Clique aqui.