Aqui você pode pesquisar os planos existentes

 


Como ocorre o vulcanismo?

Publicado por 
novaescola
Objetivo(s) 
  • Perceber como a temperatura e a pressão do interior da Terra provocam o vulcanismo
Ano(s) 
Material necessário 
Reportagem da Veja:

 

Desenvolvimento 
1ª etapa 
Introdução

Os domínios de Vulcano, o deus grego do fogo, estão se expandindo. A reportagem de VEJA informa que a comprovação da presença de basalto (uma rocha magmática) num asteróide mostrou que o vulcanismo foi um processo mais freqüente no sistema solar do que os cientistas imaginavam. E o fenômeno continua a se manifestar. Por exemplo, existem vulcões ativos em Io, um satélite de Júpiter, e seu comportamento ajuda a compreender as características dos antigos vulcões terrestres. Com esta aula, você vai mostrar a seus alunos como o fogo de Vulcano ajudou a formar as rochas e o solo da Terra.

Atividade
Le
ve para a classe um mapa das placas tectônicas da litosfera e outro das principais zonas vulcânicas. Depois peça que os alunos comparem as duas figuras: eles vão perceber que os vulcões não ocorrem ao acaso na Terra, mas acompanham as margens das placas. O Japão, por exemplo, encontra-se sobre uma margem de placa e, portanto, tem muitos vulcões. A cordilheira dos Andes, por sua vez, foi erguida por causa da colisão de duas placas. Os vulcões japoneses e andinos integram o chamado cinturão de fogo, na orla do Oceano Pacífico.

 

2ª etapa 

Peça que os alunos identifiquem a posição do Brasil no mapa das placas tectônicas. Leve-os a perceber que a situação do país, longe das bordas das placas, explica a ausência de vulcões ativos. Explique, em seguida, que nem sempre foi assim. Em São Paulo e no Paraná existem vastas extensões de terra roxa, um solo formado pela desagregação química do basalto. Esses basaltos, com espessura de até 5000 metros, foram gerados por um período de intenso vulcanismo há cerca de 200 milhões de anos. Nessa época, ocorreu a fragmentação de uma placa litosférica, com a separação da América do Sul e da África. Na ruptura da placa foi gerado o fundo oceânico, também composto por rochas magmáticas.

 

3ª etapa 

Determine que a turma obtenha amostras de rochas magmáticas, como o basalto e o granito. Os estudantes poderão observar que o basalto tem granulação fina, ou seja, não é possível ver os minerais da rocha a olho nu. No granito, ao contrário, os minerais são bem visíveis. Essa diferença resulta da velocidade de crescimento dos minerais durante o resfriamento do magma e também do local onde ocorre esse resfriamento. No basalto, o resfriamento ocorre com rapidez depois que o magma atinge a superfície. Por esse motivo, os minerais não têm tempo suficiente para crescer. Já no granito, o magma resfria em grandes profundidades no interior da Terra e os minerais crescem lentamente, com bastante tempo para a formação de cristais.

 

4ª etapa 

Examine com os alunos o infográfico abaixo e as sucessivas etapas do processo. É importante que eles percebam como o vulcanismo recicla os materiais terrestres. Os vulcões trazem material do interior da Terra para a superfície, por meio da elevação do magma e dos derrames de lava, gerando rochas vulcânicas. Ao longo de milhões de anos, as rochas se desagregam devido à ação das intempéries. Formam-se detritos que são transportados pelos rios para os oceanos e se depositam no fundo do mar. Quando os depósitos ocorrem perto das bordas de placas tectônicas, podem ser arrastados para grandes profundidades, gerando novo magma. Isso acontece porque, no choque entre placas tectônicas, uma mergulha por baixo da outra e penetra até uma profundidade de cerca de 400 quilômetros, onde sofre fusão. Esse processo é conhecido como Ciclo das Rochas.

Vulcanismo

Devido a suas camadas, a Terra já foi comparada a uma imensa cebola. Nela existem faixas sólidas e líquidas (veja o quadro). E também materiais pastosos de altíssima densidade e temperatura elevada, correspondentes a rochas em estado de fusão. Essas rochas são encontradas numa profundidade de 100 a 350 quilômetros, na faixa chamada astenosfera, situada entre a base da crosta terrestre e o topo do manto superior. Sobre essa camada pastosa flutua a litosfera, a faixa rígida exterior da Terra. A litosfera é fragmentada num mosaico, no qual cada peça corresponde a uma placa tectônica. Nas áreas de contato entre placas ocorrem fraturas profundas, que cortam toda a litosfera. É ao longo dessas fraturas que o material fundido da astenosfera pode subir. Recebe então o nome de magma e atinge temperaturas de 2000 graus centígrados. Quando o magma surge na superfície, ocorre o vulcanismo, responsável pela formação de vulcões e derrames de lava ¬ o nome genérico dado às rochas vulcânicas. Os vulcões formam-se tanto na superfície da terra como no fundo dos oceanos. O vulcanismo submarino originou, por exemplo, o arquipélago do Havaí, que ainda hoje conta com vulcões ativos.

Créditos:
Ivo Karmann
Formação:
Geólogo da Universidade de São Paulo.
Autor Nova Escola

COMPARTILHAR

Alguma dúvida? Clique aqui.