Ainda não há contribuições em grupos.

Você ainda não tem amigos adicionados

Eventos

Próximos Eventos

17/03/18
SOBRE O CURSO Discutir os principais aspectos do...
Adriana de Melo Ramos
publicou no grupo Violência Institucional na Escola

Atividade 3

Boa tarde, pessoal! Vamos continuar com nossos estudos sobre violência institucional?

Para a atividade de hoje, trago duas importantes referências. A primeira delas é o documentário de João Jardim Pro dia nascer feliz (Brasil, 2005, 88min), um filme que retrata a vida de adolescentes em escolas públicas de Pernambuco, São Paulo e Rio de Janeiro, além de uma escola particular na cidade de São Paulo. O filme pode ser visto neste link.

A segunda referência é o texto “A violência escolar e a crise da autoridade docente”, de Júlio Groppa Aquino, doutor em Psicologia Escolar pelo Instituto de Psicologia da USP. O texto pode ser baixado neste link.

A proposta de hoje é a seguinte: faça uma reflexão sobre um trecho do documentário (início: 9min50s / fim: 11min56s) e relacione-o ao texto recomendado.

Em sua reflexão, observe os seguintes pontos:

- Como você acha que a aluna Valéria se sentia nesta situação?

- Alguma vez você agiu como os professores da Valéria?

- Por que você acha que esse tipo de atitude acontece em nossas escolas?

Aguardo as respostas de vocês aqui nos comentários :)

Um abraço,

Adriana

0

Comentar

Login ou registre-se para postar comentários

Comentários

SEGUNDO O TEXTO ´´A ESCOLA FOI FEITA PARA PESSOAS IGUAIS``.QUAISQUER DIFERENÇAS SÃO POUCO TOLERADAS.A ALUNA VALÉRIA, COM HABILIDADE LINGUÍSTICA ACIMA DA MÉDIA, PODE TER INCOMODADO AOS PROFESSORES QUE ,TALVEZ,NÃO ESTIVESSEM PREPARADOS PARA LIDAR O FATO.PRESUMO QUE VALÉRIA TENHA SE SENTIDO DIMINUÍDA E ,MOMENTANEAMENTE DESACREDITADA,SEM APOIO PARA DESENVOLVER-SE COMO MERECIA.SER IGNORADA ,ACUSADA DE NÃO TER AUTORIA DE SEUS PRÓPRIOS TEXTOS É TÃO RUIM QUANTO NÃO TER SIDO AJUDADA, CASO OS PROFESSORES RECONHECESSEM SEU POTENCIAL.MAS CONSIDERO VIOLÊNCIA TAMBÉM O FATO DE OS PROFESSORES NÃO RECEBEREM O APOIO NECESSÁRIO PARA LIDAR COM TANTAS DIFERENÇAS EM UMA MESMA SALA DE AULA.DE UM LADO ,ALUNOS COM ALTAS HABILIDADES,DE OUTRO,OS COM DEFICIÊNCIAS COMO AUTISMO, HIPERATIVIDADE E OUTROS.NÃO CHEGUEI A GIR COMO OS PROFESSORES DESTA ALUNA,NÃO EM DECLARAR ISSO PARA O ALUNO,MAS TENTEI DESCOBRIR A VERDADE POR MEIO DE PERGUNTAS RELACIONADAS COM O ESCRITO. ISSO ACONTECE NAS ESCOLAS POR DIVERSAS RAZÕES:MUDANÇAS NO QUADRO DE PROFESSORES CONSTANTEMENTE,DESTA FORMA NÃO CONHECEM SEUS ALUNOS;PROFESSORES DESPREPARADOS, SEM HÁBITOS DE LEITURA E ESCRITA;ISTO OCORRE PORQUE NÃO SE PROPORCIONA MOMENTOS NAS ESCOLAS NOS QUAIS SE POSSA DISCUTIR E PROPOR SAÍDAS;NÃO SE TEM TEMPO SUFICIENTE PARA PREPARAÇÃO DE CONTEÚDOS ADEQUADOS PARA CLASSES HETEROGÊNEAS;NÃO ESTUDAMOS O COMPORTAMENTO DE NOSSOS ALUNOS;NÃO TEMOS TEMPO PRA CONHECÊ-LOS.SOFREMOS A MESMA VIOLÊNCIA QUE A VALÉRIA ,QUANDO APRESENTAMOS NOSSAS IDEIAS NO LOCAL DE TRABALHO,PROPOMOS MUDANÇAS E SOMOS IGNORADOS POR QUE NÃO SE ACREDITA MAIS NO SISTEMA.
curtir
0

Dêiva de fato é violência quando é negado aos nossos professores momentos de estudo e reflexão sobre a prática no espaço escolar. Para tanto é necessário uma equipe gestora que tenha como foco dos estudos temas relevantes do cotidiano escolar com base em observação e registro.
curtir
1

Reflexão sobre o trecho do documentário: Em base as duas referencia apresentadas aplicadas no trecho do documentário, evidenciamos a triste realidade da nossa educação publica resultante da imensa desigualdade social que que criminaliza injustamente nossas crianças e adolescentes, agravada pela falta de apoio federal; estadual e municipal a nossas comunidades e professores que se encontram totalmente sem orientações (falha de uma Secretaria de Educação competente) de como devem realizar suas atividades dentro da nossa conjuntura atual, nada complicado e difícil de resolver com um trabalho conjunto entre Escolas; Comunidade e Autoridades locais. Como Valeria se sente? Oprimida por nossa lamentável realidade social. Valeria com seu grande potencial para atingir altas posições, infelizmente nasceu com o selo da pobreza, selo esse que mesmo com grande potencial pessoal sera muito difícil de ser retirado. Sofrida, desiludida, desacreditada, nao escutada, de uma família pobre e numerosa, esta submetida e obrigada a trabalhar e sem total chance de sonhar, uma antítese que devemos erradicar no nosso grande e querido Brasil. Agir como os professores de Valeria? Pessoalmente nao e jamis o faria, porem é uma realidade presente no nosso dia a dia das escolas que requer o pulso forte e ação e preparação de uma Secretaria de Educação que viva e trabalhe dentro das escolas preparando e tomando as decisões de forma imediata, trabalho que deveria ser realizado pela diretoria das escolas porem que infelizmente se encontra totalmente só nessa "roda viva" que são nossas escolas publicas. Por que essas atitudes acontecem na nossas escolas? 1) Nossas escolas estão perdidas e os professores obrigados a cumprir uma matriz curricular imensa. 2) nossas escolas nao sabem nem tem estrutura nem poder para dar solução a imensa Violência interna e externa expressas principalmente por contar com uma imensidão de alunos: 1) sem o conhecimento acadêmico minimo requerido para sua serie; 2) sem possibilidade e oportunidade de dialogo amigo como o "Caminho da Vida"; Falta de um programa efetivo e eficiente de reforço escolar. 3) Falta direção nas escolas, nao existe um norte, nao existe o minimo requerido por escola que é "Um Plano Politico-Pedagógico, que seja de conhecimento e cumprimento obrigatório de todo o corpo escolar e atualizado anualmente. De todas as formas nao se trata de missão impossível, mesmo com todas as debilidades existentes, os problemas deverão ser resolvidos localmente, dentro dos nossos 5.570 municípios, e somente sera possível com Escolas; Comunidade e Autoridades locais unidas orientadas a esse objetivo. Não é nada difícil, pode ser um pouco complicado, porem necessita dedicação exclusiva de todos os seus agentes, que com ela, os resultados aflorarão de imediato.
curtir
1

Concordo com você João em tudo que expressou principalmente quando fala que não se trata de uma missão impossível e de fato necessita compromisso, dedicação e prazer pelo que faz para que os resultados satisfatórios apareçam. Sinto que algumas pessoas que trabalham na Educação perderam o prazer em desenvolver boas práticas, almejar bons resultados, unir esforços para que tudo discorra bem. Só ficam no discurso da impossibilidade.
curtir
2

Reflexão sobre o trecho do documentário: Em base as duas referencia apresentadas aplicadas no trecho do documentário, evidenciamos a triste realidade da nossa educação publica resultante da imensa desigualdade social que que criminaliza injustamente nossas crianças e adolescentes, agravada pela falta de apoio federal; estadual e municipal a nossas comunidades e professores que se encontram totalmente sem orientações (falha de uma Secretaria de Educação competente) de como devem realizar suas atividades dentro da nossa conjuntura atual, nada complicado e difícil de resolver com um trabalho conjunto entre Escolas; Comunidade e Autoridades locais. Como Valeria se sente? Oprimida por nossa lamentável realidade social. Valeria com seu grande potencial para atingir altas posições, infelizmente nasceu com o selo da pobreza, selo esse que mesmo com grande potencial pessoal sera muito difícil de ser retirado. Sofrida, desiludida, desacreditada, nao escutada, de uma família pobre e numerosa, esta submetida e obrigada a trabalhar e sem total chance de sonhar, uma antítese que devemos erradicar no nosso grande e querido Brasil. Agir como os professores de Valeria? Pessoalmente nao e jamis o faria, porem é uma realidade presente no nosso dia a dia das escolas que requer o pulso forte e ação e preparação de uma Secretaria de Educação que viva e trabalhe dentro das escolas preparando e tomando as decisões de forma imediata, trabalho que deveria ser realizado pela diretoria das escolas porem que infelizmente se encontra totalmente só nessa "roda viva" que são nossas escolas publicas. Por que essas atitudes acontecem na nossas escolas? 1) Nossas escolas estão perdidas e os professores obrigados a cumprir uma matriz curricular imensa. 2) nossas escolas nao sabem nem tem estrutura nem poder para dar solução a imensa Violência interna e externa expressas principalmente por contar com uma imensidão de alunos: 1) sem o conhecimento acadêmico minimo requerido para sua serie; 2) sem possibilidade e oportunidade de dialogo amigo como o "Caminho da Vida"; Falta de um programa efetivo e eficiente de reforço escolar. 3) Falta direção nas escolas, nao existe um norte, nao existe o minimo requerido por escola que é "Um Plano Politico-Pedagógico, que seja de conhecimento e cumprimento obrigatório de todo o corpo escolar e atualizado anualmente. De todas as formas nao se trata de missão impossível, mesmo com todas as debilidades existentes, os problemas deverão ser resolvidos localmente, dentro dos nossos 5.570 municípios, e somente sera possível com Escolas; Comunidade e Autoridades locais unidas orientadas a esse objetivo. Não é nada difícil, pode ser um pouco complicado, porem necessita dedicação exclusiva de todos os seus agentes, que com ela, os resultados aflorarão de imediato.
curtir
0

Reflexão sobre o trecho do documentário: Em base as duas referencia apresentadas aplicadas no trecho do documentário, evidenciamos a triste realidade da nossa educação publica resultante da imensa desigualdade social que que criminaliza injustamente nossas crianças e adolescentes, agravada pela falta de apoio federal; estadual e municipal a nossas comunidades e professores que se encontram totalmente sem orientações (falha de uma Secretaria de Educação competente) de como devem realizar suas atividades dentro da nossa conjuntura atual, nada complicado e difícil de resolver com um trabalho conjunto entre Escolas; Comunidade e Autoridades locais. Como Valeria se sente? Oprimida por nossa lamentável realidade social. Valeria com seu grande potencial para atingir altas posições, infelizmente nasceu com o selo da pobreza, selo esse que mesmo com grande potencial pessoal sera muito difícil de ser retirado. Sofrida, desiludida, desacreditada, nao escutada, de uma família pobre e numerosa, esta submetida e obrigada a trabalhar e sem total chance de sonhar, uma antítese que devemos erradicar no nosso grande e querido Brasil. Agir como os professores de Valeria? Pessoalmente nao e jamis o faria, porem é uma realidade presente no nosso dia a dia das escolas que requer o pulso forte e ação e preparação de uma Secretaria de Educação que viva e trabalhe dentro das escolas preparando e tomando as decisões de forma imediata, trabalho que deveria ser realizado pela diretoria das escolas porem que infelizmente se encontra totalmente só nessa "roda viva" que são nossas escolas publicas. Por que essas atitudes acontecem na nossas escolas? 1) Nossas escolas estão perdidas e os professores obrigados a cumprir uma matriz curricular imensa. 2) nossas escolas nao sabem nem tem estrutura nem poder para dar solução a imensa Violência interna e externa expressas principalmente por contar com uma imensidão de alunos: 1) sem o conhecimento acadêmico minimo requerido para sua serie; 2) sem possibilidade e oportunidade de dialogo amigo como o "Caminho da Vida"; Falta de um programa efetivo e eficiente de reforço escolar. 3) Falta direção nas escolas, nao existe um norte, nao existe o minimo requerido por escola que é "Um Plano Politico-Pedagógico, que seja de conhecimento e cumprimento obrigatório de todo o corpo escolar e atualizado anualmente. De todas as formas nao se trata de missão impossível, mesmo com todas as debilidades existentes, os problemas deverão ser resolvidos localmente, dentro dos nossos 5.570 municípios, e somente sera possível com Escolas; Comunidade e Autoridades locais unidas orientadas a esse objetivo. Não é nada difícil, pode ser um pouco complicado, porem necessita dedicação exclusiva de todos os seus agentes, que com ela, os resultados aflorarão de imediato.
curtir
0

O texto aborda a violência no contexto escolar visivelmente percebida na relação professor-aluno e a falta de autoridade docente com a geração atual.Diante desse cenário a escola se encontra sem saber como intervir diante de situações que se apresentam fora dos padrões ideais: alunos com altas habilidades intelectuais, posicionamentos crítico da realidade e domínio da tecnologia. Uma dessas realidades é retratada no documentário quando a aluna Valeria apresenta seus textos poéticos que expressam seus sentimentos, desejos e as características de sua realidade. E todo esse potencial a escola não soube aproveitar desconfiando, os professores, da autoria de seus textos. Com essa desvalorização se sentia sem chance de sonhar, a escola com essa postura já a excluiu,pobre com uma família numerosa sem poucas chances de sucesso na vida. Diante desta cena, não me recordo enquanto professora de uma situação igual ou parecida, sempre procurei aproveitar os que se sobressaiam. Acredito que situações como esta acontecem nas escolas por vários motivos: salas superlotadas, rotatividade de professores, a exigência do cumprimento do conteúdo programado e a falta de formação em serviço com foco na tematização da prática. Esses entraves impossibilitam um acompanhamento mais de perto, individualizado, de reconhecimento dos saberes dos alunos. Enfim é um trabalho possível de se fazer desde que a escola trabalhe de fato aquilo que expressa seu PPP além de constituir no espaço escolar uma equipe colaborativa.
curtir
0

A aluna se sente desacreditada por seus professores, pois eles não acreditam nela e no seu grande potencial. Deve ser muito triste se sentir assim e estar nessa situação da aluna Valéria. E isso nos faz pensar que muitas vezes aqueles alunos tidos como indisciplinados e violentos também podem estar agindo dessa forma por viver situações parecidas ou diferentes com a da Valéria por parte da escola, de sua família etc. Pelo que estamos estudando aqui no grupo, entendi que a escola pode sem querer, estar colaborando para atitudes de violência por parte dos alunos. Quando os alunos não são ouvidos, não é dada a oportunidade de poder explicar o motivo de tal fato, alguns professores que confundem autoridade com autoritarismo etc. isso gera muita revolta nos alunos e pode fazer com que muitos deles comecem a agir agressivamente. Acho que a escola deve acreditar mais nos seus alunos, ouvi-los e compreendê-los mais e ser parceira, porque isso renderá bons frutos. Mas fazendo tudo isso sem deixar de ter autoridade.
curtir
0

Desculpe esqueci de responder as 2 perguntas finais: Nunca presenciei nenhum professor tendo uma atitude como os professores da Valéria. E acredito que esse tipo de atitude acontece em algumas escolas porque ela vê todos os alunos iguais inseridos em uma mesma realidade, então pensam como pode ter uma única aluna assim em uma classe, desconfiam e se recusam acreditar que ela possa ter tão grande potencial. Acredito que o problema seja a falta de mais conhecimento da escola para lidar com as diferenças em sala de aula.
curtir
1

Óbvio reconhecer na ação desses professores a violência contra a aluna, o desrespeito, a incapacidade, a mediocridade que infelizmente grassa em nossas escolas. Esse tipo de atitude ocorre em nossas escolas por culpa e descompromisso de gestão e coordenação, que não identificam a incapacidade de lecionar desses docentes. Inegável que essa realidade provocou a catástrofe em nossa Educação. Quantos são os que se intitulam professores, porém incapazes ou desconhecedores da matéria que devem lecionar?
curtir
0

a violência no contexto escolar é visivelmente percebida na relação professor-aluno e a falta de autoridade docente as vezes por medo do contexto em que se encontra essa nova geração .Diante desse cenário a escola fica sem saber como intervir diante de situações que se apresentam fora dos padrões ideais: alunos com altas habilidades intelectuais, posicionamentos crítico da realidade e domínio da tecnologia, o ideal seria que tivessem professores a altura desses alunos. Uma dessas realidades é retratada no documentário quando a aluna Valeria apresenta seus textos poéticos que expressam seus sentimentos, desejos e as características de sua realidade.Diante do destaque da aulna a escola não acreditou que aluna tivesse esse potencial ficaram foi desconfiados da autoria de seus textos.Essa desvalorização fez ficar menor o sonho de mudar de vida e ter mais oportunidade,a postura da escola faz com que a mesma perca as esperanças,vivendo em uma situação de pobreza e com uma família numerosa sem poucas chances de sucesso na vida. a sena aparece muitas vezes em nosso cotidiano e as vezes não nos damos conta,como professora sempre procurei aproveitar o saber de todos. Acredito que situações como esta acontecem nas escolas por vários motivos: salas superlotadas, rotatividade de professores, a exigência do cumprimento do conteúdo programado e a falta de formação.
curtir
0