Ainda não há contribuições em grupos.

Você ainda não tem amigos adicionados

Nenhum evento aberto no momento

Miruna Kayano
publicou no grupo Alfabetizar a todos respeitando o tempo de cada um

Atividade3 - Rotina e atividades: como organizar as propostas?

Desde a primeira semana deste Grupo de Estudos, muitos de vocês levantaram questionamentos importantes sobre as melhores atividades a serem oferecidas quando pensamos no processo de apropriação da escrita alfabética. Para isso, sugiro a leitura desta reportagem na qual são levantadas algumas possibilidades para o trabalho em sala de aula. 
 

Pensaremos aqui sobre as atividades permanentes, destacadas nesse material, que acontecem frequentemente em classe. Escolha alguma das mencionadas no texto (1, 2 ou 3) e levante os motivos de serem potentes para o processo de alfabetização. Caso tenha dúvidas sobre como organizá-las, insira também suas ideias. Tente fazer perguntas específicas, com exemplos concretos, para que possamos avançar mais na reflexão compartilhada. Bom trabalho!
 

OBS.: Lembre-se de não criar novos posts. Comente essa publicação clicando em "comentar" no final da atividade.

0

Comentar

Login ou registre-se para postar comentários

Comentários

Olá! Nossa! Todas as propostas são importantes! Mas considero que os projetos didáticos tem maior abrangência uma vez que amplia o universo cultural do estudante auxiliando também no processo de alfabetização. Atualmente uma de minhas unidades escolares está trabalhando o Projeto Africanidade, onde compositores, poetas e atores são pesquisados. A partir das pesquisas estudamos aspectos culturais, geográficos, históricos,textuais, trabalhamos oralidade além de produzir também situações-problema no campo da Matemática. Então, os projetos trazem muita riqueza no fazer pedagógico.
curtir
0

Olá Jacira, concordo com você que os projetos são situações fundamentais para que os alunos possa lidar com a integração entre três ações importantes: ler, escrever e ouvir/falar. Para o processo de alfabetização é importante que em um projeto cuidemos das atividades que serão propostas, ajustando os desafios às possibilidades de cada aluno, e também pensando em duplas produtivas, onde um possa fazer o outro pensar. É sempre importante avaliar se no projeto encaminhado as situações de leitura ganham o mesmo espaço que as de escrita, pois ao terem de ler uma lista de palavras, por exemplo, com começos similares, as crianças precisam buscar outros recursos de análises das diferentes palavras. Um abraço!
curtir
0

Boa noite! As propostas apontadas na reportagem são de suma importância e produzem resultados consideráveis, mas vejo que o trabalho com projetos didáticos possibilita mais dinamismo, despertando o interesse pela busca do conhecimento e consequentemente a ampliação do universo cultural da criança o que contribui para o desenvolvimento do processo de alfabetização.
curtir
0

Olá Valéria, realmente os projetos possuem uma abrangência que os torna bastante importantes para o trabalho de alfabetização. É preciso do professor, porém, bastante clareza dos objetivos didáticos e o que precisamos fazer ao longo de um percurso para que aprendam mais, lendo e escrevendo por si sós, e com o apoio do professor. Um abraço!
curtir
0

A leitura pelo professor, feita diariamente, em voz alta, caprichando na entonação para aumentar o interesse e tomando cuidado para variar os gêneros durante o ano: contos, cartas, notícias, poemas etc. A leitura pelos alunos, feita em dias alternados com atividades de escrita, sempre tendo como objeto textos que eles conheçam de cor, como cantigas, parlendas, trava-línguas, textos informativos etc. A escrita pelas crianças, feita em dias alternados com atividades de leitura, tendo como objeto a produção de listas de nomes de colegas, de frutas, de brinquedos etc., que podem ser escritas pelos estudantes com lápis e papel ou com letras móveis. A produção de texto oral com destino escrito, feita em dias alternados com atividades de leitura, quando os alunos criam oralmente um texto e o ditam para o professor, trabalhando o comportamento escritor.
curtir
0

Olá Mariane, você apontou uma variedade de ações e propostas que realmente toda sala onde a alfabetização esteja em foco, precisa vivenciar, com certeza. Apenas faria um apontamento sobre a leitura pelos alunos; é verdade que é importante que leiam textos memorizados, mas neste caso é preciso oferecer um foco bem específico, por exemplo, que circulem toda vez que aparecer a palavra ROSA na cantiga "O cravo e a rosa". Por outro lado, não colocaria nesta lista de propostas de leitura memorizada, os textos informativos, neste caso os alunos não sabem este texto de cor, e é justamente por não saberem que se vêm desafiados a realizar a leitura. Um abraço!
curtir
0

Todas as atividades apresentadas, a elaboração da rotina com atividades permanentes, sequenciadas, mesmo as ocasionais, o cuidado com a escolha do texto de acordo com o objetivo que se tem, o respeito ao conhecimento prévio,todos são de suma importância para que a alfabetização se realize. Como o texto chama a atenção todos os saberes podem conviver harmonicamente, mesmo que em conflito, a aprtir dos agrupamentos que formamos, porém para que tudo isso possa ser feito com bons resultados é importantíssimo o registro das observações que fazemos do processo de aprendizagem de cada um. Saber as hipóteses e as estratégias que utilizam para escrever ou ler, tudo acredito, tenha que ser registrado analisado e refletido para elaborarmos nossa rotina, analisar como foram oferecidas, revisitar os objetivos para verificar se foram alcançados ou não, se há a necessidade de modificar a atividade ou de ser apresentada para alguns alunos de outra maneira nos permite o mesmo "tipo" de atividade ou seja atividades diferentes com mesmo objetivo, possas ser elaboradas. Registro reflexivo é um importante aliado na nossa prática ainda mais com tanta diversidade de saberes e conhecimentos.
curtir
0

Olá Aurea, que importante a sua reflexão sobre o registro reflexivo, pois ele por vezes é deixado em um segundo plano pelos professores por conta da quantidade de afazeres que temos na rotina escolar. No entanto, como você aponta, apenas fazer não necessariamente promove uma reflexão, uma mudança, algo que o registro reflexivo sim permite. É interessante, por exemplo, fazer um registro sobre as intervenções feitas com os alunos: que perguntas podemos realizar? Todas são potentes? Perguntamos sobre o começo das palavras? Ou final? Como ajudo meus alunos a que releiam suas produções? Estes aspectos precisam ser analisados depois da ação, e um registro reflexivo certamente ajuda a que isso se torne possível. Um abraço!
curtir
0

A aprendizagem é um processo e se dá a partir da interação do indivíduo com o meio em que vive. A intervenção pedagógica é fundamental para que haja progresso no processo de aprendizagem. Porém, deve-se respeitar a individualidade e o processo de aprendizagem de cada um. Amo a alfabetização, me alegro com meus alunos quando eles percebem e se dão conta do quanto eles estão aprendendo, e quando então começam a ler! Isso pra mim é mágico, é fantástico, recompensa de um ano todo de trabalho. Um tanto quanto exaustivo mais que no final, vale a pena, fazer e começar tudo outra vez. Todas as propostas aqui levantadas são de extrema importância, sabemos que desde o nascimento estamos imersos em um mundo de símbolos, ocorrendo assim a leitura e escrita prévia, a aprendizagem da leitura e da escrita ocorre através de bases cognitivas, sociais e emoções, as aprendizagens precisam ser significativas para se tornarem em conhecimento Precisam ter relação com a vida cotidiana
curtir
0

Olá Andrea, realmente a vivência alfabetizadora é envolvente e instigante, principalmente quando conseguimos compreender a complexidade do processo, sem nos assustar com este momento, mas vivendo com os alunos intensamente estes passos fundamentais de crescimento rumo à imersão total no universo letrado. Todas as propostas são muito importantes mesmo, e ao professor cabe o desafio de selecionar o que fará em cada momento do ano, de sua semana, com seus alunos, para que o propósito de cada atividade permita a todos avançar em seus saberes. Um abraço!
curtir
0

Nas Atividades Permanentes acho a Leitura diária fundamental, pois, ela incentiva a prática da leitura; o gosto e o prazer de ler; possibilita o contato direto das crianças com textos reais; garante um repertório de textos de boa qualidade; incentiva as crianças a ler mesmo quando ainda não sabem ler convencionalmente; estimula a leitura como fonte de prazer e entretenimento; desenvolve a postura de leitor e ouvinte; favorece as crianças entenderem o fato de que todo escrito poder ser lido; a entender a linguagem que se usa para escrever; sobre a disposição gráfica dos diferentes gêneros textuais; a compreenderem a história por seu contexto; amplia vocabulário, e isso tudo é fundamental para alfabetização!
curtir
0

Olá Tânia, você tem toda razão! Às vezes se desvaloriza a leitura diária pensando que ela simplesmente é uma oralização de um texto, quando na verdade é algo muito maior do que isso, como você bem aponta. Uma situação interessante é propor atividades de leitura e escrita, a partir destas leituras tão significativas. Você pode pedir aos alunos que escolham dentre uma lista qual história querem ouvir, pode pedir que tenham uma lista e grifem cada história que for lida na semana ou solicitar que escrevam sozinhos ou em dupla, duas histórias que mais gostaram de ouvir na semana. Um abraço!
curtir
0

Boa tarde. As atividades fundamentais para as crianças em processo de alfabetização são: escutar leituras feitas pelo professor, ler e escrever por elas mesmas e ditar a um escriba textos cotidianos - como os que comunicam preferências leitoras ou os que servem para compartilhar experiências do dia a dia. A leitura pelo professor feita diariamente, em voz alta, caprichando na entonação para aumentar o interesse e tomando cuidado para variar os gêneros durante o ano: contos, cartas, notícias, poemas etc. A leitura pelos alunos, feita em dias alternados com atividades de escrita, sempre tendo como objeto textos que eles conheçam de cor, como cantigas, parlendas, trava-línguas, textos informativos etc. Escolhi duas das atividades permanentes, pois, através da primeira o aluno aprende como devem ser pronunciadas as palavras e na segunda atividade os alunos praticam a oralidade e a memorização.
curtir
0

Olá Teana, você levantou várias propostas interessantes que devem ser encaminhadas pelo professor frequentemente. É importante, porém, planejar ao longo da semana momentos bem claros e diferenciados nos quais os alunos mesmos são leitores e escritores, e as intervenções atuam no sentido de considerar as hipóteses das crianças, mas apresentando intervenções: ler a palavra, pedir que indique partes da palavra que sejam importantes, oferecer palavras de referência, etc. Um abraço!
curtir
0

Acredito que a mais importante é o exemplo de ser leitor, ou seja, a leitura diária realizada pelo professor. Mas não ler mecanicamente, ou seja, ler por ler. É preciso dar vida à leitura, atentar à prosódia, à ortoépia, à entonação, pontuação. Estimular a curiosidade e o gosto pela leitura nas crianças, pois quem gosta de ler, aprende muito mais, refina e aprofunda o que já conhece. Lembrar sempre que deve-se variar os gêneros e suportes textuais. E estimular a escrita pelas crianças deixando os mais diversos riscantes para livre manipulação. Caso tenha um computador, mesmo que velho, deixar a disposição para escreverem com o teclado com as mais variadas fontes e tamanhos é uma estratégia eficiente. Alfabeto móvel, jogos que envolvem letras também fazem as crianças refletir sobre o sistema de escrita alfabético. Por fim, acho de extrema importância que o professor escreva. Seja além de exemplo de leitura, seja exemplo do uso da escrita. Ser o escriba das crianças ao contarem histórias, é a melhor maneira de mostrar a relevância do uso da escrita em sala de aula.
curtir
0

Olá Ricardo, muito interessante o que você propõe, pois mostra que o processo de alfabetização é algo que está para além do aluno em si, e sua hipótese, é algo que atravessa a comunidade leitora e escritora à qual a criança pertence. Por isso é verdade que é fundamental que o professor escreva e leia para todos, mostrando a importância destas ações no dia-dia, mas sempre integrando estas escritas e leituras com ações onde os próprios alunos atuam. Isso é fundamental para que os alunos não achem que apenas o professor é o detentor do saber leitor e escritor, e que evitemos algo que por vezes surge em classes de alfabetização, que são alunos que dizem que não sabem ler, ou que querem escrever como os adultos. Integrar as importantes ações que você apresenta com o que os alunos têm de possibilidade é um caminho importantíssimo em salas de alfabetização. Um abraço!
curtir
0

Boa tarde! Todas propostas de atividades permanentes são de grande contribuição no processo de alfabetização, porém comentarei a leitura em voz alta pelo professor. Essa atividade, possibilita às crianças a construção da autonomia leitora, desperta o prazer pela leitura e maior aproximação da escrita, além de contribuir para o desenvolvimento do comportamento leitor e compreensão da função social da escrita.
curtir
0

Olá Elaine, efetivamente esta leitura é bem importante, e pode proporcionar, além do que você menciona, a possibilidade de atividades a partir das leituras, como comentei acima para sua colega Tania. É fundamental utilizar as propostas frequentes também como possibilidade de abertura a novas propostas nas quais o aluno atua lendo e escrevendo diariamente. Um abraço.
curtir
0

Acredito que todos as propostas são validas e importantes para aprendizagens, mas porem quero destacar a produção de textos oral com destino de escrita, geralmente a criança memoriza melhor escrevendo o que sabe e gosta, exemplo, redigir uma cantiga ou a sua história predileta ou melhor o seu dia-a-dia. Considero muito valida a escrita textual pois através,posso avaliar uma parte da aprendizagem.
curtir
0

Olá Dionéia, realmente a escrita pelo aluno é fundamental, e quando aliada a um processo sequenciado, ou seja, em etapas relacionadas entre si, ganha ainda mais significatividade. Assim, ao invés de propor em sala somente uma escrita de cantiga em um dia, e de uma lista em outro, é interessante propor pequenas sequências escrevendo textos com relações entre si, ou mesmo projetos que integrem estas propostas chegando a um produto final, que dá sentido ao que o aluno lê e escreve. Neste sentido, a escrita em sequência também é um apoio importante para a avaliação do professor. Um abraço!
curtir
0

As três propostas são sem dúvida muito boas e devem ser trabalhadas em sequencia se possível.Mas eu particularmente daria prioridade as atividades permanentes onde a criança teria a oportunidade de reescrever palavras e pequenos textos do seu cotidiano a memorização do texto ajuda a escrita e posteriormente a leitura ,o envolvimento do professor a troca com os colegas tudo isso conta no momento de socializar a leitura.
curtir
0

Olá Raffynha, tudo bem? Realmente as atividades permanentes são muito importantes para o trabalho com a alfabetização e o lugar de importância que ocupam também dependerá em enorme medida da faixa etária com a qual se trabalha. Com os alunos mais novos elas são muito potentes, e por isso na educação infantil exploramos frequentemente este aspecto da frequência de situações de leitura e de escrita. A partir do 1º ano do Fundamental 1, continuamos com as propostas permanentes, mas é necessário integrá-las com sequências e projetos, que conseguem dar conta de um maior aprofundamento para as situações de sala de aula. Um abraço!
curtir
0

Olá! Boa noite! Excelente reportagem que retrata a importância da organização na rotina escolar. Acredito que os projetos didáticos são muito importantes, pois, além de organizar os conteúdos escolares, muitas vezes, aborda temas atuais, que atendem um determinado "problema" de uma determinada localidade, conscientizando assim, os alunos sobre tal. Já que esse é geralmente o principal objetivo dos projetos didáticos. Mas também considero de extrema importância a prática das atividades permanentes, principalmente a leitura, tanto feito pelo professor, quanto pelos alunos. Na minha prática em sala, não abro mão dessas atividades, semanalmente trabalho uma parlenda, com a leitura e diversas atividades, inclusive interpretação dessa parlenda. Minha leitura acontece diariamente com textos diversos. Os alunos adoram!!!
curtir
0

Olá Joice, gostei bastante de sua reflexão buscando integrar as atividades mais pontuais, as propostas permanentes, com os projetos. Lembre-se que mesmo uma proposta que tem em determinado período, frequência semanal, como a leitura e interpretação de uma parlenda, pode em um segundo momento ocupar um lugar de reflexão mais ampla, por meio de um projeto que organize um livro de coletâneas de palreadas preferidas, por exemplo. É importante, para alfabetizar, usar todos estes momentos como situações que levam os alunos a pensar sobre o sistema de escrita: como descubro o título desta parlenda? Algum nome de um colega me ajuda? E com que letra começo a escrever? Etc. Um abraço!
curtir
0

Boa tarde ,Eu fico com os Projetos Pedagógicos , além do projeto ser voltado aos alunos , partindo de sua abstração reflexiva , do que já conhece e faz parde da realidade de cada um . O projeto faz com professor conheça mais o aluno , saindo do como eu ensino para como o meu aluno aprende . Permitindo a interação deles com o meio , os objetos e com os outros . Ampliando o vocabulário e despertando pela curiosidade . criando sempre estratégias para realizar determinas ações - podendo sim errar mas construir em cima desse erro , ampliando o campo de hipóteses permitindo que o aluno expresse suas ideias e use a linguagem com instrumento de comunicação e aprendizagem ... Podendo assim o professor fazer uma reflexão de suas aulas,sobre seus objetivos , se foram alcançados ou não , e o que poderei fazer para alcançá-los ...
curtir
0

Trabalhar com alfabetização é uma tarefa árdua e gratificante. Gosto de variar meus recursos. Não fico limitada ao quadro e ao material didático. Gosto de usar projetor, de fazer um ditado estourado interativo... Trabalho com pelo menos um livro de história por aula. O trabalho com a hora do conto tem muita pertinência ao passo que instiga os alunos a fazerem suas próprias leituras. Prova disso é que sempre ao final do livro eles pedem o livro emprestado para lerem na sua classe. Como não tenho mais de um exemplar do livro lido, é a oportunidade de oferecer a eles a biblioteca é a Gibiteca que temos em sala de aula. E dá muito certo. Muitas vezes os alfabetizadores focam na alfabetização apenas através dá escrita, não se dando conta do quanto é importante também a leitura. Mesmo que eles não saibam ler ainda, eles vão tentar e no momento que surgir uma dificuldade vão procurar a professora e solicitar auxílio. É lindo esse tipo de prática.
curtir
0